Previsão: brincadeira no sul e sudeste, fraco no nordeste e norte!

outloook_600x600 (10).gif

O final de semana será de poucas ondas no litoral brasileiro. Melhor na parte de baixo do mapa: ondas na casa do meio metro devem garantir a brincadeira tanto no sul como no sudeste. Já no nordeste e no norte podemos esperar por condições fracas, na casa do meio metrinho. 

Acesse o app para conferir a previsão e reports em tempo real pro seu pico. Abaixo, confira a previsão completa por região:

região sul

Captura de Tela 2018-07-12 às 14.11.52.png

outlook

Os remanescentes do bom swell dos últimos dias ainda devem movimentar as praias da região Sul neste final de semana. As ondas entram de sudeste com altura na casa do meio metro e com períodos variando entre 10 e 12 segundos. Os ventos sopram fracos entre oeste e noroeste, o que e um tanto quanto raro na região. As melhores ondas devem rolar na sexta-feira com o vento terral ajudando na formação.

sexta-feira (13/07/2018)

Ondas de leste entre 0.6 e 0.9 metro com período de 10 segundos. Vento fracos de oeste. Formação entre regular e boa.

sábado (14/07/2018)

Ondas de leste entre 0.6 e 0.9 metro com período de 9 segundos. Vento fracos de noroeste. Formação entre regular e boa.

domingo (15/07/2018)

Ondas de leste entre 0.3 e 0.6 metro com período de 12 segundos. Vento fracos de noroeste. Formação entre regular e boa.

região sudeste

Captura de Tela 2018-07-12 às 14.12.06.png

outlook

O swell do início da semana perde completamente a força na região Sudeste. As ondas devem ficar com altura na casa do meio metro, períodos de 10 segundos e direção predominante de sul. Os ventos sopram fracos de noroeste durante todo o final de semana. Nos momentos certos, essas condições devem garantir uma valinha divertida!

sexta-feira (13/07/2018)

Ondas de sul com altura entre 0.3 e 0.9 metros e períodos de 10 segundos. Vento fraco de noroeste. Formação entre regular e boa.

sábado (14/07/2018)

Ondas de sul com altura entre 0.3 e 0.6 metros e períodos de 10 segundos. Vento fraco de noroeste. Formação entre regular e boa.

domingo (15/07/2018)

Ondas de sul com altura entre 0.3 e 0.6 metros e períodos de 10 segundos. Vento fraco de noroeste. Formação entre regular e boa.

região nordeste

Captura de Tela 2018-07-12 às 14.12.17.png

outlook

Condições fracas e constantes na região Nordeste. As ondas não devem passar da casa do meio metro com períodos de 7 segundos e direção predominante leste. Os ventos sopram fracos entre sudeste e leste durante todo o final de semana.

sexta-feira (13/07/2018)

Ondas de leste entre 0.3 e 0.6 metro com período de 7 segundos. Ventos fracos de sudeste. Formação de regular a ruim.

sábado (14/07/2018)

Ondas de leste entre 0.3 e 0.6 metro com período de 7 segundos. Ventos fracos de leste. Formação de regular a ruim.

domingo (15/07/2018)

Ondas de leste entre 0.3 e 0.6 metro com período de 7 segundos. Ventos fracos de leste. Formação de regular a ruim.

região norte

Captura de Tela 2018-07-12 às 14.12.33.png

outlook

Condições também fracas para a região Norte. As ondas entram constantes durante todo o final de semana com altura entre 0.3 e 0.6 metro e períodos de 6 segundos. Os ventos sopram constantes moderados de leste.

sexta-feira (13/07/2018)

Ondas de leste entre 0.3 e 0.6 metro com período de 6 segundos. Vento moderado leste. Formação entre ruim e regular.

sábado (14/07/2018)

Ondas de leste entre 0.3 e 0.6 metro com período de 6 segundos. Vento moderado leste. Formação entre ruim e regular.

domingo (15/07/2018)

Ondas de leste entre 0.3 e 0.6 metro com período de 6 segundos. Vento moderado leste. Formação entre ruim e regular.

Rodrigo Koxa may have broken the record of the biggest wave ever surfed

Nazaré has been on fire! This season, swell after swell has been hitting Praia do Norte beach in Portugal. One for the books, however, occured in the beginning of November 2017, when an epic swell drew the attention of the big-wave rider community. A 100-year storm brought mountains of water to Nazaré, resulting in one of the most legendary tow-in sessions of all times.

The Brazilian big-wave riders had unforgettable times riding this swell. Among them were Carlos Burle and Maya Gabeira, who says she surfed the biggest wave of her life on the occasion (remember that she almost died at the same break in 2013). Rodrigo Koxa, from Guarujá (São Paulo state), surfed the biggest wave of the day during the swell’s peak intensity. This wave immediately became a candidate for the biggest wave ever surfed, breaking the previous record set by Hawaiian Garrett McNamara, who surfed a 78-foot wave, also in Nazaré.

There is a lot of controversy around the exact height of Koxa’s wave and whether or not a true measurement would be possible. On January 10, 2018, Rodrigo called upon the Broou Oceanography team to take a stab at the task. The team, led by Caio Stringari, landed on a new estimate for Koxa’s wave (115-130 feet), confirming it was indeed, the biggest wave ever surfed.  

Below, you’ll find an interview with Broou’s Oceanographer and wave specialist Caio Stringari, who explains why an accurate measurement from a single photograph simply isn’t possible. He’ll also spell out how he reached an estimate for the wave’s height by using the measurement on the size of surrounding man-made objects such as the red jet-ski seen in the (breathtaking) photo.

INTERVIEW by Caio Stringari

Caio is a Brazilian Oceanographer from the Federal University of Rio Grande (FURG), and currently a PhD candidate in the department of Earth Sciences at the University of Newcastle, Australia. He is a specialist in shallow water wave dynamics, numerical modelling, weather forecast, and artificial intelligence applied to coastal processes. He has worked with several environmental consultancy companies and has been a forecaster at Broou for the past four years.

Is it possible to measure Rodrigo Koxa’s wave?

At this point, it isn’t possible to obtain an exact measurement. For that to happen, we would need a pair of special and identical cameras and lenses, in which case, we could apply a technique known as stereoscopy and obtain an exact measurement of the wave’s height. Nonetheless, it is actually possible to get estimate of the wave’s height based on man-made objects that appeared in the camera’s field of view. Following this line of thought, we used the jet-ski near Rodrigo in the photo to create a conversion formula that translates the image’s pixel dimensions to a metric scale. 

First, we measured the jet-ski in the image about a hundred times to get an idea of the scale and the associated error (in units of pixels). Using this formula, we obtained a value of about 0.015 meters per pixel (Figure 1).

Onda Koxa_byBroou_ing.jpg

Next, we created a vertical line that delineated the wave from crest to trough and then multiplied this value by the scale previously obtained. This is the most subjective step of the process because there is no clear cut when defining the wave’s crest and the trough locations. By applying this scale to a photograph of Rodrigo riding the wave, we obtained the astounding value of an 40-meter high wave, with a margin of error of about 3 meters (Figure 2).

Onda Koxa_byBroou_ing4.jpg

However, this value is not carved in stone. For example, when we measured the part of the wave where the jet-ski at, a place where the data is theoretically more precise, we obtained a (still astounding) height of 38+ meters also with a margin of error of about 3 meters (Figure 3).

Onda Koxa_byBroou_ing5.jpg

In short, the wave’s height was estimated to be between 35 and 40 meters, which is about 10 meters higher than the actual record.

What is it like being wiped out by a wave like this?

It’s like diving into solid rock! Also, after the wave breaks, the amount of underwater turbulence is incredibly high, which makes it remarkably hard to swim back to safety. Think about being wiped out by a wave about 1 meter in size at your favorite beach, then multiply that by 30-40 times. The amount of energy could easily break several bones. Very few people are capable (and brave enough) to ride such monstrous waves.

Can we estimate this wave’s mass? What would it be like?

Well, waves transport energy rather than mass. By applying a well-known formula used by engineers to obtain the energy of a 40-meter high wave, we get a value of  25138 Joules/m2. One Joule can be understood as the energy transferred to a body when 1 Newton of force moves it 1 meter in distance. In the same order of magnitude as the energy generated by this wave (according to this wikipedia page), we would have to the peak force of a small car under full acceleration, the force of a great white shark bite, or (more appropriately since I am writing this article from Australia) the force of a saltwater crocodile bite.

Is it common to see waves like these?

Giant waves, like the ones in Nazaré, are quite rare. There are very few places that meet the requirements to hold such power. Some examples are Pe’ahi (Hawaii), Mavericks (California), Puerto Escondido (Mexico), and Teahupoo (Tahiti). In Nazaré’s case, an underwater canyon acts like an energy guide to the waves generated by the North Atlantic winter storms in a process known as refraction. When this energy reaches shallow waters near the beach, it has nowhere to go but upwards in a process known as wave shoaling, resulting in the monster waves we see at Nazaré. When the crest of the wave is travelling faster than the trough, the wave profile becomes unstable and the wave starts to break. At the breaking point, the wave is at its highest height, which is exactly what we see happening in Rodrigo’s wave.

Is it possible to estimate the surfer’s speed? How does it compare to a 1 meter wave?

It is possible to calculate the wave speed using a mathematical formula in which the only variable is the wave height. We oceanographers like to call this formula the shallow water wave phase speed. Assuming that both waves (40m and 1m) are travelling in a local water depth of 5 meters, the 1 meter wave would have a speed of about 30 km/h, whereas the 40 meter wave would have a speed of about 70 km/h.

The surfer’s speed, on the other hand, is much more difficult to obtain because its trajectory is usually oblique when compared to the wave’s propagation direction. In order to obtain the exact speed, we would need a GPS attached to the board. In any case, the surfer’s speed is probably much faster than the wave’s 70km/h.  

Math: 

Wave energy:

E 30 meters = 0.0625*1025*9.81*30 = 18853J/m2

E 40 meters = 0.0625*1025*9.81*40 = 25138J/m2

Wave speed:

V 1m @ 5m= sqrt(9.81*6)*3.6 = 27.7km/h → 30km/h ish.

V 30m @ 5m= sqrt(9.81*35)*3.6 = 66.70km/h → 70km/h ish.

 

*Photos: Leandro Sieves

Mitsubishi apresenta nova versão do Broou

post nova versao blog.jpg

Estamos orgulhosos em anunciar que A MITSUBISHI é a nova patrocinadora do BROOU!

E junto dessa excelente novidade, a atualização do broou.app apresenta ao usuário 3 novas funcionalidades:

 

GRÁFICO DE PREVISÃO DE ONDAS

post nova versao blog2.jpg

Com alcance para seis (6) dias e linhas comparativas entre o Sistema Broou focado na costa brasileira e os dados base da NOAA.

 

CADASTRAMENTO DE PICOS

post nova versao blog3.jpg

Nova ferramenta com interface simples e interativa para você pedir a entrada de novos picos que ainda não estão no app.

 

BROOU.SHOP

post nova versao blog4.jpg

Você já pode comprar as camisetas broou e outras paradas direto pelo app. Dá um check no menu!

+ Correção de bugs: incluindo Connect com Facebook.
+ Melhorias de performance e usabilidade.

Para dúvidas ou sugestões: broou@broou.com

Atualize o app e vai surfar, bro!

rodrigo koxa pode quebrar o recorde de maior onda já surfada


Equipe de forecasters Broou realiza medição técnica da onda gigante surfada por Koxa na praia de Nazaré, em Portugal

Nazaré não pára de bombar. Swell atrás de swell tem agitado em muito a Praia do Norte em Portugal. Mas no início do mês de novembro de 2017, um swell épico invadiu o pico e roubou todos os holofotes do mundo do bigsurf ao proporcionar verdadeiras montanhas d'água para alguns dias de sessões históricas de tow-in.

Alguns brasileiros se destacaram no swell, entre eles a dupla Carlos Burle e Maya Gabeira, que voltava ao pico para pegar, segundo a própria, a maior onda que ela já surfou por lá – vale lembrar que a carioca quase morreu no pico em 2013 -, e o paulista Rodrigo Koxa, surfista do Guarujá (SP). 

No dia 8, em pleno auge do swell, Koxa dropou a maior do dia - uma bomba realmente gigante, que seria imediatamente cotada como possível quebra do recorde de maior onda já surfada, até então pertencente ao havaiano Garrett McNamara numa onda avaliada em 78 pés, também em Nazaré (compare abaixo).

Polêmica, especulações!

Muito se comentou a respeito do verdadeiro tamanho da onda surfada por Koxa, e se seria possível realizar uma medição de tamanho confiável. No dia 10 de janeiro, o big rider decidiu convocar a equipe de oceanógrafos do Broou para realizar uma medição científica da onda e assim confirmar - ou negar - o possível recorde.

Após esclarecer que não seria possível fazer uma medida exata da onda a partir de uma única fotografia (leia abaixo), o forecaster Broou Caio Stringari realizou uma estimativa de tamanho a partir de objetos confiáveis para concluir, em sua opinião, que RODRIGO KOXA QUEBROU O RECORDE DE MAIOR ONDA JÁ SURFADA NO MUNDO.

Abaixo, você lê a entrevista do forecaster Caio Stringari para o programa ESPORTE FANTÁSTICO, da Rede Record, que será parte da matéria especial sobre a onda de Koxa, que irá ao ar neste sábado às 10h15 no canal Record.

ENTREVISTA

Caio Stringari: Oceanógrafo formado pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG) e atualmente fazendo PhD em Earth Sciences na Universidade de Newcastle, Austrália, onde se especializa em dinâmica de ondas em águas rasas e previsão oceanográfica utilizando Inteligência Artificial e Machine Learning.

RECORD: É possível medir quantos pés/metros tem a onda do Rodrigo Koxa?

BROOU: Não é possível fazer uma medida exata, uma vez que toda e qualquer imagem possui distorções. Para calcular o tamanho exato da onda, nós precisaríamos de duas cameras e lentes idênticas gravando a mesma onda, resultando num método conhecido como estereoscopia. Contudo, é possível fazer uma estimativa do tamanho da onda a partir de objetos com tamanho conhecido que aparecem na imagem. No caso da onda do Koxa, usamos o Jet-ski que aparece nas imagens para criar uma uma escala de transformação de pixels para metros e assim calcular o tamanho da onda.

Primeiro, nós medimos o Jet-ski na imagem 100 vezes, o que resultou na escala de ~0.015 metros por pixel:

Koxa_1x1.jpg

Depois, nós definimos uma linha vertical que vai da base até o crista da onda. Essa é a parte mais subjetiva do processo, uma vez que a definição desses pontos e bem empírica. Quando nós medimos a onda exatamente no ponto em que o Koxa aparece na foto, obtemos uma altura de 40 metros com uma margem erro de aproximadamente 3 metros.

Koxa_1x12.jpg

Contudo, se medirmos a mesma onda na região do Jet-ski, obtemos um valor um pouco menor, de 38 metros com margem de erro também de 3 metros.

Koxa_1x13.jpg

Resumindo, essa onda pode ter altura entre 35 e 40 metros, equivalente a um prédio de 13 andares, o que é cerca de 10 metros maior do que o recorde atual (assista abaixo).

Cair numa onda dessa é como o quê, dar um mergulho numa piscina?

Definitivamente não! Como a velocidade que se atinge nessa onda seria quase como tentar mergulhar no asfalto. Depois da queda, a quantidade de turbulência sob a onda é imensa. Imagine a força de uma onda de mais ou menos 1 metro quebrando na sua praia favorita. Isso já faz muitas pessoas ficarem distante da água. Agora multiplique essa força por 30 ou 40 vezes. Pouquíssimas pessoas no mundo tem a capacidade (e coragem) de enfrentar tamanha energia.

Qual a massa de uma onda como essa? Pode ser comparado a quê?

Ondas não transportam massa, mas sim energia. Existe uma formula para calcular a energia da onda baseada na altura da onda. Se aplicarmos essa fórmula para uma onda de 40 metros em  25138 Joules/m2. Um Joule é igual a energia transferida para um objeto quando uma força de 1 newton move esse objeto por 1 metro. Na mesma escala de energia dessas ondas (de acordo com a wikipedia), temos o pico de aceleração de um carro de passeio ou a força de uma mordida de um tubarão branco (já que estamos falando de surfe) ou de um crocodilo de água salgada (já que eu moro na Australia). 

Onda de mais de cem pés, ou 30m são comuns?

Ondas gigantes como as de Nazaré são bastante raras. Existem pouquíssimos lugares no mundo que conseguem sustentar ondas tão grandes. Alguns exemplos são Peahi (Jaws) no Hawaii, Mavericks na Califórnia, Puerto Escondido no México e Teahupoo no Tahiti. O que ocorre em Nazaré é que um cânion submarino serve como um guia para as ondas provenientes das tempestades de inverno no Atlântico Norte. Quando essas ondas chegam em águas rasas, próximas a praia, a sua energia não é dissipada lateralmente e a única opção da onda para conservar a energia é crescer em tamanho (esse processo é tecnicamente conhecido como empolamento ou shoaling). Quando essas ondas atingem a costa chegam num limite onde a crista da onda está se propagando mais rápido do que a base, a onda começa a quebrar.

Dá para ter uma ideia da velocidade do surfista na descida de uma onda dessas? E mais rápido do que uma onda de um metro, comum aqui no Brasil?

A velocidade da onda (em águas rasas) é diretamente proporcional a profundidade do local. A profundidade, contudo,  varia de acordo com a altura da onda passando nesse local. Assumindo que as ondas se propagam na mesma profundidade (5m), uma onda de 1 metro tem uma velocidade de aproximadamente 30km/h, enquanto que uma onda de 30m tem uma velocidade de aproximadamente 70km/h.  

A velocidade do surfista é um problema muito mais complicado de se resolver uma vez que geralmente a trajetória do surfista é oblíqua a direção de propagação da onda. Para obter esse valor precisaríamos de um GPS na prancha ou algo semelhante, mas esta pode ser bem mais rápido do que 70km/h.

 

Cálculos: 

Energia da onda:

E 30m de altura = 0.0625*1025*9.81*30 = 18853J/m2

E 40m de altura = 0.0625*1025*9.81*40 = 25138J/m2

Velocidade da onda

V 1m @ 5m= sqrt(9.81*6)*3.6 = 27.7km/h → aproximei para 30km/h

V 30m @ 5m= sqrt(9.81*35)*3.6 = 66.70km/h → aproximei para 70km/h.

Onda Koxa_byBroou_low_24.jpg

*Foto da onda de Koxa: Leandro Sieves

CODE RED BRAZIL IT’S ON! 

1, 2, 3, 4 metros pra mais! O swell entrou enorme e faz jus à previsão de ondas. Vários picos da Costa Sul e Sudeste estão funcionado com peso. No Rio por exemplo, a prefeitura interditou a Ciclovia Tim Maia, “por causa da ressaca com ondas de 4 metros”. Em Santos, quarenta cinco contêineres caíram de um navio mercante na entrada do Porto, “por conta da força maré” e, tanto os contêineres quanto os produtos, a carga se espalha pelo litoral. Em Santa Catarina, a Defesa Civil emitiu alerta máximo de atenção devido ao “mar agitado a grosso com ressaca no litoral de SC.”

Em Laguna, acontece desde cedo uma session do “Mormaii Big Wave Challenge”, competição chancelada pela WSL na praia do Cardoso, Farol de Santa Marta (SC). O evento está sendo transmitido via facebook da Mormaii, e segundo as informações da transmissão o evento oficial pode acontecer amanhã. Paralelamente, acontece em São Paulo, o “Rusty Sorriso Cambury Big Surf”, com a Laje do Sorriso, localizada a 700 metros da costa da praia de Camburizinho, funcionando com mais de 2.5 metros de ondas.

De acordo com o boletim do broou, o swell chegou ao litoral de São Paulo com bombas para mais de 2 metros de ondas. Os períodos hoje estão entre 12 e 14 segundos e direção sudeste. Os ventos no Sudeste sopram de nordeste moderados nesta sexta e no sábado, e com mais força no domingo. A sugestão dos oceanógrafos: “Procure por picos onde a ondulação de sudeste funciona melhor.”

Surfista! Verifique no broou.app onde os picos apresentam “triple blue” com as melhores condições para o surf, prepare o seu quiver e os equipos, chegue na praia faça o report e compartilhe com os brothers. Vai pro mar, bro!

A caça de um swell histórico, por Lapo Coutinho

Uma ondulação de proporções históricas atingiu em cheio a costa brasileira. Monitorando swells em ano de El Niño, o big rider Lapo Coutinho abriu uma verdadeira caça as maiores ondas da região Sudeste do Brasil, pegando a estrada entre Rio – São Paulo. Resultado: tensão e êxtase na mesma medida; e o surf recompensador em ondas gigantes na Laje do Sheraton, no Rio de Janeiro, e em altos tubos na potente praia de Maresias.

Confira o vídeo de série broou.sessions, com o swell que entrou para a história do surf nacional.

Isso é pra você, bro.

Broou conecta surfistas em aplicativo de previsão de ondas

Startup brasileira acredita que ciência aliada à tecnologia e aos reports dos usuários pode melhorar a interpretação de swells no mundo

O Broou nasceu da paixão pelo surfe aliada ao desejo de inovação e foi idealizado por um grupo de surfistas empreendedores que precisavam de uma ferramenta que os ajudassem a encontrar as melhores ondas e ainda os conectassem aos amigos da praia.

Assim, eles criaram um app com sistema próprio de previsão de ondas, design e tecnologia de navegação diferenciados, pioneiro no monitoramento de swells e focado na experiência mobile. Disponível nas plataformas iOS e Android, a linguagem simples e direta já conquistou mais de 55 mil downloads orgânicos. Cerca de 80% da audiência está concentrada no Brasil, mas já há adeptos nos Estados Unidos, Austrália, Portugal, Espanha, França, Nova Zelândia, Peru e África do Sul.

Por meio da análise exclusiva das condições ideais para cada um dos mais de 1500 picos cadastrados, o surfista pode conferir e compartilhar as condições através de reports com fotos que ajudam no desenvolvimento do sistema de previsão de ondas.

Com a missão de inovar e apresentar funcionalidades relevantes para os surfistas, a startup tem novas atualizações em desenvolvimento.

“Nos próximos meses pretendemos disponibilizar um gráfico com o comparativo de diferentes fontes de dados, e informações de boias oceanográficas. Em 2017, vamos implantar o machine learning para utilizar as informações dos reports e melhorar o acerto da previsão, tornando-o um sistema híbrido e de caráter cientifico", explica Adriano Wiermann, head de oceanografia do broou.

O novo site da marca apresenta o filme manifesto narrado pelo músico Donavon Frankenreiter, e outras informações sobre o aplicativo, o sistema de previsão e os embaixadores do broou.

Baixe o app gratuitamente na iOS App Store ou no Android Google Play; e acesse o site broou.com.

Waterman

Conhaça o Alemão de Maresias

Em 2015 os fundadores do Broou criaram e realizaram a 'Expo Mundo Surf' ao lado do waterman e surfista de ondas grandes, Alemão de Maresias. Uma exposição temática que mostrou ao público as principais áreas do surf, nos shoppings Metrô Tatuapé e Boulevard.

Uma das áreas da exposição contemplava 'aulas de surf' teórica para iniciantes. Para contextualizar o público, criaram este 'mini-doc' sobre o Alemão de Maresias, seguido uma série de 'video-aulas' que explicavam os fundamentos básicos para começar a surfar.